El Marronzito

A volta de quem foi, mas voltou rapidinho porque tem contas pra pagar

10 Comentários

Saudações, caros leitores do El Marronzito.

Eis que, finalmente, regresso a esse ilustre e abandonado espaço virtual. Quem acompanha o blog (eu, mãe e um Lango Lango vesgo) notou que houve um pequeno hiato. Desde 2011 (nossa, quanto tempo!) não posto nada.

Bem, se você pensa que andei contando as pintas da colcha de Onçinha do BBBesta ou passei os dias jogando videogame…errou feio. Estou na labuta desde o dia 06 de janeiro. O ano começou com o aniversário do Arthur, filho da Isa, que é amiga da Marideise que, por sua vez, é amiga da Paulinha, aquela que me queimou com um cigarro em 2000 e alguma coisa.

Festa infantil moderna que se preze, tem que ter na trilha sonora o Michel Teló…e teve.

Parece que alguém não aguenta mais ouvir o Nossa, nossa...

Paulinha, Isa, Marideise e Homem-Aranha com o cabelo do Freazkazoid

Também produzi alguns retratos para a Revista Raça Brasil. Na verdade, são fotos para ilustrar uma matéria que estava engavetada, mas finalmente saiu. O texto fala do mundo dos negros que tem olhos claros, sejam eles naturais ou sobrenaturais (sim, falo do Eddie Murphy em Um Vampiro do Brooklyn). Entrevistei bastante gente bacana e descobri muita coisa legal sobre genes e tudo mais. Podem me chamar de Professor X, se quiserem.

Wil, o moço preto do zóio claro

Porém, apesar desses trabalhos bacanas, o motivo desse post, ao menos para este jovem que voz fala, é muito mais alegre:  F-É-R-I-A-S.

Passei uma semana em Curitiba, a organizada capital do Paraná. Lá, como não poderia deixar de ser, aprendi mais sobre geografia, costumes e, obviamente, fiz aquelas fotos de turista bobão. A ideia de ter férias no Paraná nasceu de um papo com a minha amiga loira/preta/ucraniana/brasileira Carol Mulek. Após alguns meses de papo, parti pra terra das araucárias, e não me arrependi nem um pouco.

Curitiba tem parques lindos, uma arquitetura fantástica e um pouco daquele ar europeu abrasileirado. Os locais sempre me disseram que se trata de uma cidade fria e chuvosa, mas como sou sobrinho do Morgan Freeman do “Deus é Poderoso”, ganhei sete dias ensolarados. Sabecumé!

Turistão é uma coisa (por Carolina Mulek)

Quem estuda um pouco de Geografia e sabe a diferença entre PA e PR (se você disse “R”, sinto muito, mas você já pode entrar pro elenco de Shrek no papel de Burro) e conhece um pouco do Brasil, sabe que Curitiba é uma cidade planejada, com sistema de transportes bem bacana e muito respeito ao meio ambiente.

“Em Curitiba se você jogar papel no chão, leva multa”, ouvi um sujeito dizer isso, aqui mesmo em Campinas. Eu não fiz o teste, mas notei uma cidade bem limpa. Também aprendi muito com os amigos que fiz por lá.

Aprendi que vina é salsicha (mas há controvérsias).

Aprendi que estojo é penal.

Aprendi que mesmo tendo cabelos brancos, sou um piá.

Aprendi que o curitibano não fala com estranhos.

Aprendi que ser picado por uma Aranha-Marrom, não virarei Homem-Aranha marrom, mas sim um defunto marrom.

Ah! Apesar dos passeios e visitas aos museus, bares, restaurantes, casas das vós e parques, também tive um papo excelente com o fotógrafo Marino Pietro, que meu deu altas dicas sobre bons rumos a serem tomados.

Demétrius acabou de ver um tio estranho. Fato da foto

Enfim.

Só tenho agradecer aos amigos Muleks e a maninha Ana Lúcia pela recepção.

Espero um dia voltar para essa terra bacana.

 Menos estranho, obviamente.

Assim, farei ainda mais amigos.

Eis as fotos, piás e gúrias:

Sim, é uma universidade. Sim, eu sei que você gostaria de estudar lá

O charmoso centro histórico de Curitiba. Uma bela surpresa

Se o sujeito passa o telefone dele pra uma gata, e ela diz que esqueceu seu número...bem, a coisa está realmente tensa pro lado do rapaz

O belíssimo Mercado das Flores

Jardim Botânico, mas confundi com Parque Ecológico

O Museu do Olho: obra do eterno Oscar Niemeyer, o Moon Ha da nossa arquitetura

Srta. Quero-Quero pondo a piazinha pra correr

Os famosos tubos de transporte de Curitiba. Me senti o Super Mário entrando na boca do tubo e saindo do outro lado da cidade. Juro

O muso do museu

Minha visita predileta: o Memorial de Curitiba

Seria Dadaísmo, Cubismo ou Neo Expressionismo?

Os muleks, mas a gata Nessi, o cachorro Neguinho e o invasor de Sum Paulo: dias inesquecíveis que nos lembram que ainda existe gente boa nesse mundão maluco

Para quem quer ver mais fotos de Curitiba, eis o link do álbum do Facebook: https://www.facebook.com/media/set/?set=a.346247082060333.87489.100000251318097&type=1

Anúncios

Autor: ronielfelipe

Jornalista e Fotógrafo

10 pensamentos sobre “A volta de quem foi, mas voltou rapidinho porque tem contas pra pagar

  1. Muito bom, Curitiba é mesmo linda!
    Pra variar, saudades.
    bjus querido

  2. Chegueiii, fã número um é a milesima sétima a chegar pra comentar
    …qe vergonha “(

    Adorie saber de um Moon-Ha estrangeiro, tenho um amor por ele
    vou criar coisas na minha mente (depois te conto rsrs)

    óia, só nao achei justo a foto do Wil ai, era só eu te colocado uma lente verde 😛

    Te doro-te coisa preta marrom
    Beeejo

  3. Fotos ótimas como sempre! Parabéns!

  4. Lindas fotos Roni! Parabens!

  5. Rs… vc viaja e eu viajo nas suas postagens! Muito dez!

    Parabéns again!

  6. Eu sou a lango-lango vesga????

  7. que baacanissima os fatos registrados! gostei mto 🙂

  8. Sabia que ia gostar da nossa capital meninoooooo…
    ótimas fotos, lindo texto.
    bju

  9. Parabéns pelas fotos!
    Belíssimo o seu texto… cada vez melhor e autêntico.
    bjs
    Ana

  10. Volte sempre piá!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s