El Marronzito

O Grande Dragão Afro-Americano

19 Comentários

You win

A vida da gente é cheia de altos e baixos.

Vejam como as coisas são.

Antes de eu embarcar para o Rio de Janeiro, terra conhecida pela sensualidade de suas mulheres, do biquíni cavadão fio dental e dos fervorosos bailes funk, minha última missão em Campinas foi fotografar homens fortões com pouca roupa. Ok, é óbvio que na cidade de encantos mil, andando pelo calçadão de Ipanema, eu também topei verdadeiros He-Manos só de tanguinha.

Pretendo não fazer piadas com Campinas (a terra na qual, de acordo com amigos, se o sujeito rouba o celular de um cara bonitão é para esperar uma ligação do mesmo e lhe propor um encontro romântico), mas antes de ir para o Rio fotografei homens se pegando, no sentido literal da palavra.

Ao lado dos amigos Fernando Ribeiro, Graziela Furlan e do meu truta Adriano “Jhonny” Zanatta, fui conhecer de perto um pouco do interessante mundo do MMA (Mixed Marcial Arts) na nona edição do Max Fight, realizada no Clube Regatas, no pomposo bairro Cambuí.

Em miúdos, tratava-se de um evento de Vale Tudo, com 10 combates programados: teve lutador que entrou bailando a “Dança da Motinha”, nego com máscara de Jason e, obviamente, um pouco de hemoglobina jorrante para deixar o clima mais atraente para a platéia que lotou as arquibancadas do clube.

 No entanto, nesse exato momento, surge a turma do deixa-disso: “Ah, Ronin, que babaca você é. Qual é a graça de ficar vendo homem lutando? Vai jogar Street Fighter, seu bunda lisa”.

Não, caro leitor mariquinhas criado com base na dieta do leite com pêra. Lutar faz parte da história da raça humana. No Brasil, a luta é uma constante.  Pergunte pro sujeito assalariado, pai de família, como é passar o mês com apenas 545 Dilmas de salário. Ele vai dizer que é uma luta, meu amigo. Vivemos lutando e não desistimos nunca.

Esse é o tradicional Shinkuu Tatsumaki Senpukyaku, também conhecido como "Papai faz hamburguer, a giratória do Ken e Ryu de Street Fighter. Se acertar desmembra

Outra coisa. Todo menino que se preze, ao menos uma vez já ouviu algum adulto dizer que “brincadeira de mão não acaba bem”. É uma frase tão clássica quanto o fim da brincadeira (geralmente alguém acaba chorando enquanto o agressor leva umas cintadas da mãe).

E digo mais. Quem é que nunca teve um coleguinha que, após ver o filme do Van Damme na Tela Quente, chegava todo machinho na escola na terça-feira? Praticamente um galinho de briga imitando de forma desastrosa os golpes vistos na TV.

E vou além. Dê-me a primeira voadora aquele que nunca sofreu junto com o mocinho Daniel San (mesmo sabendo que no final, após o herói apanhar 2/3 do filme, tudo vai dar certo)?

Nunca fui um bom brigão e a maioria das porradas que dei na vida foram dadas com a ajuda de algum joystick, mas me lembro perfeitamente quando assisti as primeiras lutas de Vale Tudo, em vídeo, ainda em VHS. Era empolgante ver uma luta real, com técnica e muita estratégia. Não tinha meia lua pra frente e soco, nem counter, nem shoryuken e continues infinitos. Havia um tal de Royce Gracie (Graciiiiiiiiiiiie), um nanico sem grandes atributos físicos batendo bonito em grandalhões graças a um tal de Jiu-Jitsu.

Além de chutar bem a bola, o Brasil mostrava que sabia chutar bundas com estilo. Era empolgante ver o Davi dar uma chave no Golias, que aceitava a derrota batendo desesperadamente a mão no octógono (quase clamando por sua mamãe).

O juiz avisa: "Não vale xingar a mãe, não vale chute nas partes baixas e não vale morder"

Anos se passaram, o VHS apanhou feio do DVD, o Jiu-Jitsu se tornou extremamente  popular, o MMA virou mania mundial, surgiram grandes lutadores brasileiros, mas eu continuo o mesmo frangote de sempre (ao menos minha voz é mais grossa que a do Anderson Silva, que parece ter ingerido gás hélio durante sua infância).

Enfim, foi muito bacana ver e fotografar de perto esse esporte. Tem gente que acha bobeira dois homens se pegando, mas esporte é vida. Há muito respeito mútuo. E digo mais, a tendência é cada vez mais vermos homens se pegando por aí graças às conquistas que os homossexuais têm obtido. Lidem com isso machões fãs do Jesse Valadão e do Bolsonaro.

Bem, seguem algumas observações pertinentes apontadas por este magrelo lutador da categoria peso tampa de caneta Bic:

 -As ring girls são realmente bonitas, mas o mais curioso são os comentários da platéia. Instantaneamente, o lado peão-de-obras de muitos homens é instigado ao fitarem as beldades desfilando pelo octógono: “Isso é uma janta!!”, gritou empolgadamente um sujeito que estava próximo de mim. Engraçado que os caras seguem com galanteios mesmo depois das meninas darem 150 voltas pelo ringue. Parece que se apaixonam a cada minuto.

"Ow, Ferramenta"

-Apesar dos lutadores se baterem muito, no final, sempre rola um abraço para selar a amizade. Não importa se o cara quebrou seu nariz ou se ele lhe aplicou uma bicuda que vai doer por meses. Trata-se de uma competição. Não tem o Bolo Yeung, vilão do Grande Dragão Branco, para jogar pó-de-mico no olho do mocinho e depois matá-lo na frente da plateia.

-Nem sempre o melhor ganha, e as decisões dos juízes são bem contestáveis. A última (e melhor) luta da noite foi uma tremenda palhaçada, na minha opinião. Só não pedi meu dinheiro de volta porque ganhei ingresso na faixa.

– A plateia é viciada em Açaí.

– Mais dramática que a expressão de quem está lutando, é a cara dos treinadores que ficam ao lado do octógono. Parece que são eles que estão levando um soco que equivale 5 sacos de cimento caindo de uma altura de 2 metros em sua cabeça.

-Em um dado momento, enquanto esperava a próxima luta começar, um homem me perguntou do que achei da luta anterior. O sujeito questionou-me se o combate deveria ser parado após um dos lutadores cair e ser atacado por um Meteoro de Pegasus de seu adversário. “Eu acho que ele (o cara que apanhou) iria apagar, né?”, respondi sem ter muita noção. Só depois descobri que se tratava do juiz da luta. Já que não posso lutar, talvez possa ser árbitro das lutas. Só espero que as coisas não sejam como futebol, onde vira e mexe os juízes levam sopapos dos atletas.

E quem disse que homem não chora? Se ele estiver com a máscara do Jason, então chora ainda mais

 Bom, seguem as fotos dessa noite cheia de testosterona. Confesso que gostei muito da experiência de clicar algumas lutas, embora seja o MMA seja um esporte muito rápido e necessita de muito treino para obter fotos realmente boas. É bom também conhecer um pouco da luta para não deixar passar aquele momento que o sujeito acerta em cheio a fuça do adversário (dá até pra ver estrelinhas, juro).

Ah, um segredo. Depois de assistir e fotografar o evento, cheguei todo machinho aqui em casa. Sorte que não encontrei nenhum valentão na rua, senão o bicho iria pegar.

Abraços e gracejos de pedreiro para as leitoras ring-girls lindonas.

Bicuda na canela dos manos leitores. E nada de ficarem empolgados com as fotos e saírem por aí arranjando briga, ok?

Esse lutador já chegou impressionando utilizando Hadoukens

Trocação é o nome aquela rinha que víamos nas brigas de escola. A diferença é que no MMA é feita com técnica, enquanto nas ruas e brigas femininas tudo é feito com ódio mortal

Esse rapaz é o cara que faz a make nos manos. Ele passa uma base para os caras ficarem bonitos na TV. Bem, na verdade se trata uma pasta de vaselina (ui) que evita cortes e o impacto direto

Encara? Eu não

Os auxiliares tem as expressões mais bacanas. Os caras lutam com seus lutadores. A diferença é que não levam porrada

Uma pequena pausa para nossos patrocinadores. Conheçam a Santa Querupita e curtam a loja no Facebook . Show de bola:

Isso poder, Arnaldo?

Passar por maus bocados é isso aí

O_o

"Vai pra cima dele e mostra que aqui é Curintchia"

Um soco que equivale a alguns sacos de cimento caindo suavamente em seu rosto

Aqui, a importância de um árbitro atento que não passa a luta flertando com a Ring Girl ou pensando na morte da Bezerra. Chegou antes do sujeito acertar o 59° Meteoro de Pegasu

O balet das pernas

Dizem que quando um lutador apaga, ele acorda pensando que está no combate. Percebam as estrelinhas na cabeça do negritão. Por bom senso, o árbitro decidiu dar fim ao combate. MMA não tem Fatality, meu povo

Golpe perfeito do lutador Richardson (duvido que alguém tenha coragem de chamá-lo de Richarlyson). De longe escutei o cara de preto gritando "Gerônimo"

O Vídeo da luta desta última foto “comentando” pelos especialistas Grazy e Luis Fernando. Eu também apareço no vídeo, ao lado do fotógrafo de boné vermelho. Aquela lente branca que aparece é minha:

Anúncios

Autor: ronielfelipe

Jornalista e Fotógrafo

19 pensamentos sobre “O Grande Dragão Afro-Americano

  1. Que LOUCURA … e quem diria heeim Roni, vc fazendo esse BELO trabalho. Como sempre, cada dia melhor !!! Parabéeens !!! 🙂

  2. Meu… até essas lutas (versão de grosseira, brutalidade e sangue [A D OOOOOOOOOoooOoooo0000000000OOOOOOOooooooo R O ]) ficam perfeitas nas suas lentes.

    Um beijo e Obrigada por embelezar essa feiura que eu adoro!

  3. Manolo!!! Que animal isso, ainda mais para um cara fanático por lutas como eu! Adorei esse post cara, as fotos dele me encheram os olhos! Parabéns!

  4. Ronielllll, cara de pastel…rsrs!!

    hauhuahauhauhau…vc é foda!!!!

    Te amO, sua ironia já é sua marca registrada…uahuah!!

    Os trocadilhos então…kkkk, um luxo só!!!

    Trabalho impecável…amei!!!

    Já disse né?! Sou sua fã!!!

    bjokas, meu qrido Marronzinho (ps: cor de papelão molhado, isso sim…kkk)

  5. Confesso que não consegui ver ate o final.
    Há aluns anos, fui com uma amiga a um campeonato de vale-tudo.
    Sofri tanto, que parecia estar recebendo os golpes.
    Traumatizei.
    MAs as fotos (até onde consegui ver) estão (como sempre) lindas!!
    Bjoks

  6. peso pena-bic…realmente é uma modalidade q eles deveriam incluir no proximo MMA….kkkk

  7. Muito lindas as fotos Roni… 🙂
    mas sou mais ir na balada gay ver pra esses caras rebolando no balcão… é quase igual

  8. Ótimo texto, legendas e fotos! E poxa, sempre quis assistir umas dessas lutas pessoalmente.. e ainda foi aqui em Campinas! Bobiei =(

  9. estou fazendo artes marciais com trocação, pegada e tudo mais! isso é uma inspiração pra mim hahahahha ainda mais o cara que vai fotografar meu casamento! Animalllllllll!!!!!!

  10. Parabéns, djow.

    Texto gostoso de se ler. E as fotos ficaram bacanas.

    abraço

    Daniel

  11. Que medaaa!!!
    As fotos estão lindas, lindas, lindas, Roninho!! Estão tão lindas que até me deu vontade de ir num lugar desses ver como é! ahauha…

    E que chique o patrocínio hein! E é patrocínio de qualidade!!
    Fico super feliz em ver meus “miguxos fofuxos” se dando super bem!! Mó orgulho de vocês!!

    Beijos

  12. sensacionais as fotos! esse ringue cheio das grades me lembrou os pavões na jaulinha! rs

  13. Só pecou por não postar mais fotos. (das gurias)

  14. Nossa…è de arrepiar.. confesso q ñ consegui assistir ate o final mas a fotos como sempre stão lidassss..

  15. Agradecida pelos abraços e gracejos de pedreiro
    kkkkkkkk

    Na próxima não esquece de chaama sua aluna,

    e aquela capturada nos gominhos das barrigas pelas suas leitoras
    *Pleaseee

    Perfeitãooo
    amooo MMA

    =*

  16. Ai migo, vc me mata de rir… deveria pegar todos os seus post e fazer um livro!
    è quase uma terapia ler seus textos!
    ai vendo as fotos completa a terapia!
    bjokas
    p.s. adorei a cor de PAPELAO MOLHADO vou adotar kkkk

  17. Seu safado, curti pacas as fotos seu modo inusitado de escrever besteiras Ha! Tu tem muito talento cara parabens, soh devia ter me chamado pra ir com voce.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s